Exit Parallel Mode
 

Apocalipse 18

18
A queda da Babilônia. O terror na terra, mas a alegria nos céus
1Depois disso, vi #Ap 10.1descendo do céu #cp. Ap 17.1,7outro anjo, que tinha grande autoridade, e a terra ficou #Ez 43.2iluminada com a sua glória. 2Clamou com voz forte, dizendo: #Ap 14.8Caiu, caiu a grande Babilônia; #cp. Is 13.21s.; 34.11,13-15; Jr 50.39; 51.37; Sf 2.14s.tem-se tornado uma morada de demônios, guarida de todos os #Ap 16.13espíritos impuros e guarida de aves imundas e detestáveis, 3porque todas as nações têm bebido do #Ap 14.8vinho da ira da sua fornicação. #Ap 18.9; Ap 17.2Os reis da terra fornicaram com ela, e os #Ap 18.11,15; cp. 18.23; Ez 27.9-25mercadores da terra se enriqueceram com a sua #cp. Ap 18.7,9; 1Tm 5.11excessiva luxúria.
4Ouvi outra voz do céu, dizendo: #Is 52.11; Jr 50.8; 51.6,9,45; 2Co 6.17Sai dela, povo meu, para não serdes participantes dos seus pecados, nem terdes parte nas suas pragas; 5porque os seus pecados #Jr 51.9se acumularam até o céu, e Deus #Ap 16.19lembrou-se dos atos iníquos dela. 6#Sl 137.8; Jr 50.15,29Retribuí-lhe também como ela retribuiu, pagai-lhe com dobro segundo as suas obras. No #cp. Ap 17.4cálice que ela preparou, preparai para ela o dobro. 7#cp. Ez 28.2-8Quanto teve ela de glória e de luxúria, tanto lhe dai de tormento e de pranto. Pois diz no seu coração: #Is 47.7s.; Sf 2.15Estou sentada como rainha, e não sou viúva e não verei o pranto. 8Por isso, #Is 47.9; Jr 50.31s.; cp. Ap 18.10num só dia, virão as suas pragas: a morte, e o pranto, e a fome, e ela será #Ap 17.16queimada no fogo; porque #cp. Jr 50.34; Ap 11.17s.forte é o Senhor Deus, que a julgou. 9#Ap 18.9; Ap 17.2Os reis da terra, que fornicaram com ela e #cp. Ap 18.3,7; 1Tm 5.11participaram da sua luxúria, #cp. Ez 26.16s.; 27.35chorarão e se lamentarão sobre ela, #Ap 18.18; cp. Ap 14.11; 19.3ao verem o fumo do seu incêndio, 10#Ap 18.15,17estando de longe, por medo dos tormentos dela, dizendo: #Ap 18.16,19Ai! Ai da #Ap 18.16,18-19,21; vd. 11.8; 16.19grande cidade, da Babilônia, da cidade forte! Pois, em #Ap 18.17,19; Ap 17.12; cp. Ap 18.8uma só hora, veio a tua sentença. 11Os #Ap 18.3,15; cp. 18.23; Ez 27.9-25mercadores da terra #Ez 27.27-34chorarão e prantearão sobre ela, porque ninguém compra mais as suas mercadorias, 12mercadorias de #cp. Ap 17.4; Ez 27.12-22ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho finíssimo, e de púrpura, e de seda, e de escarlata, e de toda madeira de tuia, e de todos os móveis de marfim, e de todos os móveis de madeiras preciosíssimas, e de latão, e de ferro, e de mármore, 13e de cinamomo, e de amomo, e de perfume, e de mirra, e de incenso, e de vinho, e de azeite, e de flor de farinha, e de trigo, e de gado, e de ovelhas, e de cavalos, e de carros, e de escravos, #cp. Ez 27.13; 1Cr 5.21; 1Tm 1.10e de almas de homens. 14Os frutos que a tua alma cobiçou apartaram-se de ti, e todas as coisas delicadas e esplêndidas se perderam de ti, e não as acharão os homens jamais. 15Os mercadores #Ap 18.12,13dessas coisas, que, por ela, se enriqueceram, #Ap 18.10ficarão de longe, por medo dos tormentos dela, chorando e pranteando, 16dizendo: #Ap 18.10,19Ai! Ai da grande cidade, da que #Ap 17.4estava vestida de linho finíssimo, e de púrpura, e de escarlata, e que se adornava de ouro, e de pedras preciosas, e de pérolas! 17Porque, #Ap 18.19; Ap 17.16numa só hora, se têm perecido tantas riquezas. #Ez 27.28s.Todos os comandantes, e todos os que navegam para qualquer porto, e os marinheiros, e todos os que vivem do mar estiveram ao longe 18e, ao verem a fumaça do incêndio dela, #Ez 27.30clamavam, dizendo: #Ez 27.32; cp. Ap 13.4Que cidade é semelhante à grande cidade? 19Lançavam #Js 7.6; Jó 2.12; Lm 2.10pó sobre as suas cabeças e clamavam, chorando e pranteando: Ai! Ai da grande cidade, onde, por sua opulência, #Ap 18.3,15se enriqueceram todos quantos tinham navios sobre o mar! Pois, em uma só hora, foi ela transformada em deserto. 20#Jr 51.48; Ap 12.12Exulta sobre ela, ó céu, e vós santos, e #cp. Lc 11.49s.apóstolos, e profetas, porque #Ap 19.2; cp. Ap 18.6ss.; vd. 6.10Deus julgou a vossa causa quanto a ela.
A ruína é completa
21Um #Ap 5.2; 10.1forte anjo #cp. Jr 51.63s.levantou uma pedra como uma grande pedra de moinho e lançou-a no mar, dizendo: Assim com violência será precipitada Babilônia, a grande cidade, e ela não será mais achada. 22#Is 24.8; Ez 26.13; Mt 9.23O som dos harpistas, dos músicos, dos tocadores de flauta e de trombeta não se ouvirá mais em ti, nem se achará mais em ti artífice de qualquer arte que seja; #Ec 12.4; Jr 25.10o ruído do moinho não se ouvirá mais em ti, 23nem a luz de candeeiro luzirá mais em ti; e jamais se ouvirá em ti #Jr 7.34; 16.9a voz de noivo ou de noiva; pois os teus #Is 23.8; cp. Ap 18.3; Ap 6.15mercadores eram os príncipes da terra, porque, #Na 3.4; Ap 9.21por tua feitiçaria, foram seduzidas todas as nações, 24e nela foi achado #Ap 16.6; cp. 17.6o sangue dos profetas, dos santos e #cp. Mt 23.35de todos os que foram mortos sobre a terra.

Apocalipse 18

18
1Depois de tudo isto eu vi outro anjo descer dos céus com grande autoridade; e a terra ficou brilhante com o seu esplendor.
2Ele deu um poderoso brado:
“Caiu! Caiu a grande Babilônia; ela se tornou um esconderijo de demônios, uma toca de espíritos imundos#18.2 Ou “malignos”. e de toda espécie de aves e feras impuras e detestáveis. 3Porque todas as nações beberam do vinho mortal da tremenda imoralidade dela. Os governantes da terra se prostituíram#18.3 Ou “cometeram imoralidade sexual”. com ela, e negociantes do mundo todo se tornaram ricos com toda a sua vida luxuosa”.
4Então ouvi outra voz chamando do céu: “Saiam dela, meu povo; não tomem parte nos seus pecados, senão vocês serão castigados juntamente com ela. 5Porque os pecados da Babilônia se amontoaram até o céu, e Deus está pronto para julgá-la pelos seus crimes. 6Façam com ela como tem ela feito com vocês, e mais: deem o dobro do castigo por todas as suas más obras. Ela preparou muitas taças de desgraça para os outros — deem-lhe duas vezes tanto. 7Ela tem vivido no luxo e no prazer — agora deem-lhe igual quantidade de tormentos e tristeza. Ela se vangloria, dizendo: ‘Eu sou rainha no meu trono. Não sou uma viúva desamparada. Nunca provarei o pranto’. 8Portanto, as tristezas da morte, do pranto e da fome a alcançarão num único dia, e ela será completamente devorada pelo fogo; porque o Senhor Deus que a julga é poderoso”.
9“E os reis da terra, que participaram dos atos imorais dela e desfrutaram seus favores, chorarão e lamentarão por ela quando virem a fumaça subindo dos restos carbonizados. 10Eles ficarão à distância, tremendo de medo e clamando: ‘Ai da Babilônia, aquela grande cidade! Em apenas uma hora a sua condenação caiu sobre ela’.
11“Os comerciantes da terra chorarão e se lamentarão por causa dela, porque não restou ninguém para comprar as suas mercadorias. 12Ninguém compra o seu ouro, prata, pedras preciosas, pérolas, linho fino, sedas de púrpura e escarlata; toda espécie de madeira perfumada e artigos de marfim; muitas esculturas de madeira preciosa, bronze, ferro e mármore; 13canela, perfumes e incenso; unguento e bálsamo; vinho, azeite de oliva e farinha fina; trigo, gado, ovelhas, cavalos e carruagens e escravos — e até almas humanas.
14“Todas as coisas extravagantes de que você gostava tanto já se acabaram”, choravam eles. “Todo o luxo elegante e o esplendor que você apreciava nunca mais será seu outra vez. Foram-se para sempre”.
15E assim os comerciantes que se tinham tornado ricos vendendo estas coisas a ela ficarão à distância, com medo do tormento dela, lamentando e chorando: 16“Ai daquela grande cidade, tão bonita — como uma mulher vestida da púrpura mais fina e de linho vermelho, adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas! 17Em apenas uma hora toda a riqueza da cidade se foi!”
“E todos os capitães de navios e dos barcos mercantes e as tripulações que ganham a vida no mar ficarão à distância, 18chorando enquanto contemplam a fumaça subir, dizendo: ‘Onde no mundo inteiro existe outra cidade como esta?’ 19E na sua tristeza eles lançarão pó na cabeça e, lamentando-se, dirão: ‘Ai! Ai daquela grande cidade! Graças à sua riqueza, todos os que tinham navios prosperaram. E agora, em apenas uma hora ela ficou em ruínas!’
20“Mas vocês, ó céus, alegrem-se com a condenação dela; e vocês, ó filhos de Deus, e profetas, e apóstolos, celebrem! Porque finalmente Deus a julgou e condenou pelo que ela fez a vocês!”
21Então um anjo poderoso levantou uma pedra de forma semelhante a uma pedra de moinho, jogou-a no mar e disse: “Babilônia, aquela grande cidade será atirada fora, como eu atirei esta pedra, e desaparecerá para sempre. 22Nunca mais haverá ali o som da música — não haverá mais os tocadores de harpas, de flautas, nem de trombetas. Nenhum artífice de qualquer profissão existirá lá novamente, e nunca mais se ouvirá o barulho das pedras de moinho. 23Escuras, bem escuras serão as noites dela; nem uma única lamparina se verá outra vez. Nunca mais se ouvirão as vozes alegres dos noivos e das noivas. Seus negociantes eram conhecidos ao redor do mundo e ela enganava todas as nações com as suas feitiçarias. 24E ela foi também responsável pelo sangue de todos os profetas e santos mortos como mártires na terra”.