Exit Parallel Mode
 

Apocalipse 15

15
Os sete anjos e as últimas pragas
1Depois vi no céu outro sinal grande e maravilhoso. Eram sete anjos, que tinham as sete últimas pragas, pois com estas pragas se completou a ira de Deus.
2Então vi algo que parecia com um mar de vidro misturado com fogo e também vi aqueles que tinham conseguido a vitória sobre o monstro, sobre a sua imagem e sobre o número que corresponde ao seu nome. Eles estavam em pé junto ao mar de vidro e seguravam as harpas que Deus lhes havia dado. 3E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo:
“Grandes e maravilhosas são as suas obras,
Senhor Deus, Todo-Poderoso!
Como são justos e verdadeiros os seus caminhos,
ó Rei das nações!
4Quem não vai temer nem glorificar o seu nome, ó Senhor?
Pois só o Senhor é santo.
Todas as nações virão e adorarão na sua presença,
porque seus atos de justiça foram manifestados”.
5Depois disto eu olhei e o templo celestial, o Lugar Santo da presença de Deus#15.5 o Lugar Santo da presença de Deus Literalmente, “a tenda do Testemunho”. Ver Tenda do Testemunho no vocabulário. Ver também Êx 25.8-22., se abriu. 6E os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do templo. Eles estavam vestidos de linho puro e resplandecente e tinham cintos de ouro amarrados em volta do peito. 7Então um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro. Estas taças estavam cheias da ira de Deus, que vive para todo o sempre. 8O templo estava cheio de fumaça procedente da glória de Deus e do seu poder e ninguém podia entrar no templo enquanto não se cumprissem as sete pragas dos sete anjos.

Apocalipse 15

15
1Vi no céu outro sinal, grande e maravilhoso, mostrando coisas que estão para acontecer: sete anjos foram designados para carregar para a terra as sete últimas pragas — e, com isto, finalmente se completa a ira de Deus. 2Diante de mim achava-se estendido o que parecia um mar de fogo e vidro, e nele estavam em pé todos aqueles que tinham sido vitoriosos sobre a besta, a sua estátua, o seu sinal e o seu número. Todos estavam segurando harpas que tinham sido dadas por Deus, 3e estavam entoando o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro:
“Grandes e maravilhosos
São os seus feitos,
Senhor Deus Todo-poderoso.
Justos e verdadeiros
são os seus caminhos,
Rei das nações.
4Quem não o temerá,
ó Senhor?
Quem não glorificará o seu nome?
Pois só o Senhor é santo.
Todas as nações virão
e adorarão diante do Senhor,
porque os seus feitos de justiça
têm sido manifestos”.
5Nisto olhei e vi que se abriu nos céus o templo, a morada#15.5 Ou “Tenda da Presença de Deus”. da aliança!
6Então vieram do templo os sete anjos que foram designados para derramar as sete pragas, vestidos de linho imaculadamente branco e resplandecente, com cintos de ouro ao redor do peito. 7E um dos quatro seres viventes entregou a cada um dos sete anjos uma taça de ouro cheia da ira do Deus que vive para todo o sempre. 8O templo ficou cheio de fumaça da glória e do poder de Deus; e ninguém podia entrar enquanto os sete anjos não tivessem acabado de derramar as sete pragas.